17/05/11

JOSÉ CARLOS MOUTINHO



 
Agarro este silêncio invisível que me cerca
Como fantasma dos meus pensamentos em ti;
Abro os braços na busca do teu afecto em mim,
Encontro o nada, neste espaço vazio,
Mas cheio de silêncio, que me sufoca,
Somente aliviado pelo perfume que me inebria,
Das magnólias de que tanto gostavas
E que eu te oferecia nos momentos especiais
Do nosso enlevo e paixão,
De tantos momentos vividos;
Agora, na minha quietude
Resta-me escutar o chilrear desafinado dos pardais
Nos telhados da minha solidão,
Numa agonia que me entorpece o sentir!
Lá longe, tocam os sinos
Num repicar arrepiante,
Qual prenúncio da partida de alguém,
Que me faz lembrar que existe o Além;
Mas aqui, a vida tem a paz e a beleza
Do tamanho do meu sentir
E as cores e os cheiros do meu viver.
 
 
 
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic

Nasceu no Sobralinho, Vila Franca de Xira, Em 1 de Junho de 1944.
 Com 13 anos foi para Angola onde trabalhou e
estudou até 1973, sempre na área farmacêutica.

Fez o curso Industrial, equivalente ao 9º ano actual.
 Em 1973, saiu de Angola e foi para o Brasil e
retornou a Portugal em 1975.

Voltou ao Brasil em 1976, veio definitivamente para Portugal em 1980.
 Foi delegado de informação médica.
Nos últimos anos foi empresário da restauração,
com restaurante na Maia, onde vive.

Actualmente está aposentado.
 Gosta de fotografia e de poesia.
Image and video hosting by TinyPic



8 comentários:

José Carlos Moutinho disse...

Vou comentar no meu poema o que é não é normal.
Mas quero aqui deixar-te o meu carinho e agradecimento pela delicada homenagem que prestaste. Obrigado, minha amiga.

Moonlight disse...

Lindo e fabuloso poema.
Encontram-se almas cheias de luz na sua vivencia na terra,as palavras escritas têm um valor inestimavél.
Maravilhoso!

Bj com luar

Mario disse...

Bonito...

Parole disse...

Lindo o poema.

"Lá longe, tocam os sinos
Num repicar arrepiante,
Qual prenúncio da partida de alguém,
Que me faz lembrar que existe o Além;"

Imagem perfeita do sentimento que envolve a perda e de como nos sentimos ao continuar apesar dela.

Ps: A foto é maravilhosa e casou perfeitamente com o poema.

Chris disse...

Caro José Carlos
Claro que é normal comentar no poema do próprio principalmente quando esse poema merece um comentário pela positiva.
Gostei imenso do que li e que me fez, como sempre acontece com as obras de qualidade, ir para além do que vi.
E até o texto que apresenta o poeta me fez reflectir pois que a viagem faz parte do meu modo de ganhar a vida. Desembarcar hoje em África e amanhã no Brasil ou na Austrália identifica-nos com quem já igualmente fez percursos idênticos.
Gostei da escolha da Céu pois é sempre bom encontrar alguém que connosco se identifica pelo que escreve e pelo modo como vive ou viveu.
Os meus parabéns José Carlos
Um abraço

Chris Morris

Chris disse...

Olá Céu
Tenho estado ausente e como tal espacei os meus comentários.
Dei uma vista alargada às escolhas. Como sempre umas agradaram mais que outras mas todas foram uma boa escolha.
O espaço continua com grande nível embora me pareça que os amigos esperam mais publicações da Céu Rosário e por isso não estão a aparecer como outrora, será? Os leitores são exigentes e eu faço parte desses. Sei que o tempo escasseia e que o Facebook absorve muito tempo mas não seria possível satisfazer gregos e troianos?
É, é verdade que estou a meter uma cunha, a fazer um pedido. Será pedir muito?
Espero que não.
Um abraço

Chris Morris

zeze macario maria disse...

CEU ROSARIO,
eu tambem nao sou poeta,mas vivo me deliciando com tantas poesias lindas e sentidas,que sinto uma grande obrigaçao de fazer com que outros leiam e sintam também um pouco do que eu sinto.
Meu obrigada especial hoje vai pra ti!!!
Grande abraço.!!

Um Cantinho para Sonhar disse...

Céu...
Vim conhecer o teu cantinho e me encantei!
Parabéns!
Ofereço com muito carinho o meu selinho!

Beijinhos
Suzy

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...