08/02/11

FLÁVIO PEREIRA






Oh, o poema, aquele conjunto arranjado de versos
Aquele olhar por entre os inversos
Aquela magia de sentimento transpirado pelo som da palavra
Que não parece querer sair de outra forma
O que é??, deixemos o coração falar...

O poema é o grito desabafado do mundo
Preso a um corpo sem fundo
Onde a necessidade reina
E a alma aos poucos se destreina

O poema é um sentido inocente
De alguém preso ao presente
Depois de tanto crime no passado

O poema é sentir-se feliz
Com o próprio mundo que a alma diz
A prisão nunca foi impedimento
Para a criatividade do homem

O poema é o choro da alma
A voz que nem o silêncio acalma
O murro na parede sangrento
Que ao passar lança o sangue e a dor
 pelo correr do vento

Au! Que a dor asfixia a mente
Que o poeta é um ser dormente
Que dorme sem ter sonhado
Sem viver, sem ser acordado

Onde fogem os versos da caneta
A maca foge ao perneta
Que percebe que apenas num lugar
Sabe que é facil andar
Pelas mãos do Deus forreta
Que nem o sabe controlar









Sou o Flávio, poeta desde o sétimo ano escolar,
manifestei o gosto pela poesia ao ficar em segundo lugar num concurso
 interno de poesia no colégio de Ermesinde.
Gosto de fazer poesia porque me liberto e na sua maioria gosto de
 a fazer para alguém (dedicatória).
 Um grande sonho é ter um livro de poesia feito por mim.



9 comentários:

Luciana Goyaz disse...

Olá Céu! Agora quem perdeu a respiração foi eu. Lindo poema publicado. Parabéns ao autor. Abraço da companheira virtual de longa data, Luciana.

Poeta Renato Douglas disse...

Olá adorei seu blog. Faça um visitinha no nosso, e seja mais um membro você é nossa convidade especial. http://poetarenatodouglas.blogspot.com/

Abraços!

Gitana ♥ disse...

que bellisima imagen !
Un beso de buenas noches

Secreta disse...

O poema é muito bonito e a imagem arrebatadora!

vitorio disse...

Ter gosto pela poesia é um vicio que partilho, a poesia fás das pessoas gente melhor,também tenho um sonho publicar um livro mas não o farei, vou deixar isso para ti que és mais novo e tens todo o tempo do mundo, e o meu tempo acabou, gosto da tua poesia continua
vitoriogil

Parole disse...

Lindo.

O poema é a voz que nem o silêncio acalma...

Beijo e parabéns ao poeta.

Anita de Castro disse...

Parabéns ao autor desta bela poesia
Como já tenho escrito muitas vezes
A poesia é a alma do poeta

Mario disse...

Sinto um prazer especial por encontrar neste espaço um bocadinho de mim...é uma semente que irá germinar neste belo jardim.
Obrigado Céu!
O Flávio já merece o seu livro de poesias.

Chris disse...

Li o que escreves, amigo Flávio, como aliás leio quase tudo quanto a amiga Céu Rosário faz passar pelo Toque de Midas. Umas vezes deixo comentário outras apenas leio. Nem sempre o tempo colabora, nem sempre os poemas me dizem tanto que me leve a deixar uma nota, por muito que goste de colaborar com a Céu. Dizer apenas gostei, belo poema, etc etc, não diz com a minha maneira de ser.
O que me leva então a comentar este teu?
A frase "o poema aquele conjunto arranjado de versos" com que discordo totalmente.
O poema,a poesia, são algo que nasce dentro de nós, brota, tal como o amor, do nosso íntimo sem sabermos quando, como ou porquê.
Talvez por isso amor e poesia estejam tão intimamente ligados.
Os mais belos poemas falam de amor, até mesmo os de Santa Tereza de Ávila.
Tão nobre sentimento não pode reduzir-se a um conjunto arranjado de versos.
O modo hábil como trabalhas as palavras, que felicito e destaco, não basta.
Precisas buscar no mais íntimo de ti o tal sentimento o tal amor nem seja platónico.
Gostei do que li, não digo que não tenha gostado e mais gente gostou a avaliar pelos comentários anteriores, só que não me parece que seja um poema.
As minhas desculpas pela franqueza que, acredita Flávio, tem uma componente construtiva.
Beijinho

Chris Morris

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...